Loading...

Frases soltas por aí... no mundo!!

Vídeos legais

Loading...
Mostrando postagens com marcador solidão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador solidão. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Saudade... palavrinha que machuca...



Saudade é uma das palavras mais presentes na poesia de amor da língua portuguesa e também na música popular. "Saudade", só conhecida em galego e português, descreve a mistura dos sentimentos de perda, falta, distância e amor. A palavra vem do latim "solitas, solitatis" (solidão), na forma arcaica de "soedade, soidade e suidade" e sob influência de "saúde" e "saudar".

No Brasil, o dia da saudade é comemorado oficialmente em 30 de janeiro.



Origem

Diz a lenda que o termo foi cunhado na época dos Descobrimentos portugueses e do Brasil colônia, quando esteve muito presente para definir a solidão dos portugueses numa terra estranha, longe de entes queridos. Define, pois, a melancolia causada pela lembrança; a mágoa que se sente pela ausência ou desaparecimento de pessoas, coisas, estados ou ações. Provém do latim "solitáte", solidão.
Uma visão mais especifista aponta que o termo saudade advém de solitude e saudar, onde quem sofre é o que fica à esperar o retorno de quem partiu, e não o indivíduo que se foi, o qual nutriria nostalgia. A gênese do vocábulo está diretamente ligada à tradição marítima lusitana.
A origem etimológica das formas atuais "solidão", mais corrente e "solitude", forma poética, é o latim "solitudine" declinação de "solitudo, solitudinis", qualidade de “solus". Já os vocábulos "saúde, saudar, saudação, salutar, saludar" proveem da família "salute, salutatione, salutare", por vezes, dependendo do contexto, sinônimos de "salvar, salva, salvação" oriundos de "salvare, salvatione".
Na formação do termo "saudade", o vocábulo sofreu uma interfluência entre o estado de estar só, sentir-se solitário - oriundo de "solitarius" que por sua vez advem de "solitas, solitatis", possuidora da forma declinada "solitate" e suas variações luso-arcaicas como suidade - e a associação com o ato de receber e acalentar este sentimento traduzido com os termos oriundos de "salute e salutare", que na transição do latim para o português sofrem uma síncope e perde a letra interna l, simplesmente abandonada, enquanto o t não desaparece, mas passa a ser sonorizado como um d.
No caso das formas verbais, existe a apócope do e final. O termo saudade acabou por gerar derivados como a qualidade do "saudosismo" e seu adjetivo "saudosista" - apegado a ideias, usos, costumes passados, ou até mesmo aos princípios de um regime político decaído, e o termo adjetivo de forte carga semântica emocional, "saudoso" - que é aquele que produz o sentimento de saudade, podendo ser utilizado para entes falecidos, ou para substantivos abstratos como em "os saudosos tempos da mocidade", ou, ainda, não referente ao produtor, mas aquele que sente e que dá mostras de saudades.



Saudade e razão

A saudade é típica dos mamíferos sociais: ocorre entre semelhantes, como em tantos primatas, como na afeição dedicada ao homem no caso do cão. A saudade sugere a observação do conhecimento fundado na "imitação do outro" (como no caso do pássaro que transmite melodias de uma geração para outra com fidelidade) e está "... permanentemente sob a ação de vozes internas, impregnados de palavras, constantemente submetidos a discursos mentais cuja textura linguística é impressa por nossos pais quando aprendemos a falar".
A distância, ou afastamento de quem se ama pode provocar efeitos psicológicos no organismo e desencadear reações que vão da sensação de angústia até o desenvolvimento de um quadro depressivo.


Em 2009, estudos e experiências de separação em animais e humanos exibiram resultados que "indicam uma ligação específica entre separação e aumento do cortisol" e sugerem a possibilidade de desenvolver-se uma droga que promova o bloqueio do hormônio causador da saudade e ajude as pessoas durante a separação ou ausência do objeto de amor.
Recentemente, uma pesquisa entre tradutores britânicos apontou a palavra "saudade" como a sétima palavra de mais difícil tradução.
Pode-se sentir saudade de muita coisa:
·        De alguém falecido.
·        De alguém que amamos e está longe ou ausente.
·        De um amigo querido.
·        De alguém ou algo que não vemos há imenso tempo.
·        De alguém com quem não conversamos há muito tempo.
·        De sítios (lugares).
·        De alguém conhecido ou um colega.
·        De comida.
·        De uma música.
·        De situações.
·        De um amor.
·        De se fazer algo que há muito não se faz.
·        Do tempo que passou...


A expressão "matar a saudade" (ou "matar saudades") é usada para designar o desaparecimento (mesmo temporário) desse sentimento. É possível "matar a saudade" relembrando, vendo fotos ou vídeos antigos, conversando sobre o assunto, reencontrando a pessoa que estava longe etc. "Mandar saudades", por exemplo, no sul de Portugal, significa o mesmo que mandar cumprimentos.
A saudade pode gerar sentimento de angústia, nostalgia e tristeza, e quando "matamos a saudade" geralmente sentimos alegria.
A saudade pode vir de várias formas, muitas vezes sentimos saudades de pessoas que nem conhecemos pessoalmente, mas que são essenciais pra nossa vida! Dedicado ao Meu Amor que tem sido motivo de saudade todos os meus dias: Mundola Cavalcante' (Soares, Geniane 2012).
Em Portugal, o Fado, oriundo do latim "fatum", destino, está diretamente associado com este sentimento. Do mesmo modo, a sodade cabo-verdiana está intimamente ligada ao gênero musical da morna. No Brasil, esse sentimento está muito retratado no samba de fossa e na bossa nova.
Em galego, além do termo saudade, existe o próximo "morrinha", que em português é associado à doença animal.



terça-feira, 30 de outubro de 2012

Qual é a sua patologia? Parte 3



Cicloidia

O cicloide é o oposto ao esquizoide, porque ele está sempre de acordo consigo mesmo, tão de acordo que acha que o mundo foi criado apenas para servi-lo.

Geralmente é extrovertido e simpático no primeiro contato, precisando mesmo da companhia dos outros para se sentir bem, pois tem medo da solidão. Em todo lugar a que vai faz amizade com facilidade. Ele é a pessoa que sabe de todas as notícias e boatos.

Pode parecer, aparentemente, que este tipo de personalidade é ideal. Porém, ele tem tendência para a depressão, período no qual cai num estado de melancolia e pessimismo.

Como tem muitos amigos, todos correm para ajudá-lo. Mas nada adianta e, de repente, volta ao seu estado normal.

Outro fato interessante é que o cicloide tem necessidade premente de chamar a atenção de todos sobre a sua pessoa, gostando de ser sempre o primeiro — até nos sofrimentos.

Fisicamente, segundo Kretschmer, o cicloide tem tendência para a obesidade, enquanto que o esquizoide, para a magreza.

Norberto R.  Keppe* Extrato do livro A Medicina da Alma, Cap. 17,  pág. 157

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Estar sozinho....



A emoção poderosa de se sentir sozinho é diferente de todas as outras. É baseada em nossa percepção de quão "conectados" somos a outras pessoas. Isso explica por que nos sentimos sozinhos mesmo em uma multidão. Compreender alguns dos motivos pelos quais nos sentimos desconectados de outras pessoas pode nos ajudar a entender por que estamos sofrendo:
  • Perda de Relacionamentos – A perda de um companheiro deixa um grande vazio na nossa vida. A solidão se intensifica à medida que enfrentamos obstáculos para estabelecer novos relacionamentos.
  • Doença Crônica – Nossas aflições colocam limites em nossa socialização. Sentimo-nos abandonados durante nossos momentos de maior necessidade. Eventualmente nós relutantemente aceitamos o isolamento à medida que nos distanciamos ainda mais.
  • Segredos Escondidos – Qualquer segredo se torna pesado à medida que o tempo passa. Culpa, raiva e/ou medo das consequências nos forçam a acreditar que temos que encarar o peso do silêncio sozinhos.
  • Falta de Intimidade – Desconforto acontece quando compartilhamos algo pessoal (físico ou emocional), mas o outro indivíduo escolhe se distanciar. Você se sente sozinho por ter sido tão vulnerável.
  • Problemas de Apoio/Confiança – Quando encaramos um desastre, doença grave ou circunstâncias devastadoras, ficamos arrasados ao perceber que não há ninguém com quem realmente possamos contar.
Os motivos para se sentir desconectado podem ser mais complexos do que os listados acima. Mesmo assim, há apenas um motivo verdadeiro para nos sentirmos sozinhos. Somos incapazes de compartilhar nossos pensamentos ou emoções com alguém quando achamos que essa pessoa não vai permanecer fiel em seu amor e apoio.




Sentindo-se Sozinho – Sua Identidade

Há alguns erros comuns que cometemos ao tentar superar o sentimento de solidão. Como uma tentativa de escapar desse sentimento, assistimos filmes (sozinhos) ou trabalhamos longas horas. Algumas pessoas dependem de um animal de estimação, um hobby ou livros de auto-ajuda para preencher o vazio. Cada uma dessas formas oferece apenas esperança temporária de um futuro melhor. Eventualmente a solidão passa a fazer parte de nossa identidade. Sem perceber, nós nos isolamos mais e mais daquele relacionamento perfeito.

Nunca confunda sentir-se sozinho com estar sozinho. Os dois são extremos opostos do espectro emocional. Um suga nossos recursos, o outro multiplica nossos recursos:


Sentir-se Sozinho (Abandono)Estar Sozinho (Solidão)
Deixa-nos vazios e frustradosDá-nos satisfação através de inspiração
Piora nosso estresse internoProvidencia liberdade de distrações
Alimenta-se de desespero e insegurançaAlimenta o corpo, mente e espírito




Sentindo-se Sozinho – Conectado

Assim como você pode se sentir sozinho em uma multidão, você pode experimentar do companheirismo mesmo quando estando sozinho

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Sentimento de solidão do poder



Despertei para este assunto quando certa vez o diretor-presidente de uma grande empresa me procurou no hotel onde estava hospedado e me convidou para um jantar. Mas, como não poderia, agradeci o convite. O referido diretor insistiu tanto que fui obrigado, ainda que constrangido, a desmarcar outro compromisso já assumido anteriormente.

Chamou-me a atenção, o fato de um dirigente naquela posição não ter alguém para acompanhá-lo ao jantar. De repente, vi-me diante de um executivo alegre e, ao mesmo tempo, frustrado por não ter com quem conversar. Lembro-me que batemos um longo papo sobre a solidão.

A partir daquela noite, comecei a observar o mesmo fenômeno em presidentes, diretores e superintendentes de outras organizações. Passei a denominar esse fato como síndrome da solidão do poder. Desde então, fiquei sensível ao tema e passei a observar, atentamente, o problema da desumanização do poder.

Percebo que os profissionais no poder tendem a se isolar, pouco a pouco, perdendo o contato mais íntimo com as pessoas de sua lida diária.

De modo geral, a dinâmica das organizações vai, gradualmente, causando este sentimento nos dirigentes, que começam a se isolar: almoçar sozinhos; conversar pouco com as pessoas; e ter sempre um lugar separado dos demais membros da organização; entre outros.

Muitas pessoas evitam, fora da rotina diária, aproximar-se deles, pois temem serem vistas como bajuladoras e procuram não ter qualquer aproximação que não tenha restrita relação com o trabalho.

Estou convicto de que grandes dirigentes são pessoas sensíveis e versáteis, mas que, muitas vezes, são vistos apenas pelo ângulo profissional.

Sempre sugiro aos órgãos de RH criarem instantes que permitam encontros informais dos diretores com suas equipes, procurando superar essas dificuldades inerentes ao exercício do poder. Gosto de falar que chefe também é gente e também precisa de instantes de intimidade.

Milton de Oliveira



terça-feira, 26 de maio de 2009

AMOR VERSUS INDIVIDUALIDADE


Texto de Flávio Gikovate

Ao longo do segundo ano de vida a criança vivencia enorme avanço em suas competências: aprende a andar, a formular as primeiras frases, aprimora suas aptidões motoras etc. Se até então seu maior prazer era ficar no colo da mãe, usufruindo da paz e aconchego similar ao que foi perdido com o nascimento e sentindo por ela aquilo que chamamos de amor, agora ela gosta também de circular, especular o ambiente, tentar entender para que servem e como é que funcionam os objetos. Coloca quase tudo que encontra na boca, tenta sentir seu tato, observa o que acontece quando deixa que caiam no chão. Dá sinais de grande satisfação a cada nova descoberta. Está praticando os primeiros atos próprios de sua individualidade – e se deleitando com eles.

Tudo isso acontece na presença da mãe. Sim, porque se ela for para um outro local, a criança imediatamente abandona o que está fazendo e sai em disparada atrás dela. O mesmo acontece se levar um tombo: corre chorando de volta para o colo. Diante da dor física ou da iminência de distanciamento exagerado da mãe, a sensação de desamparo cresce muito rapidamente e aí torna-se absolutamente necessária a reaproximação. Há, pois, uma clara alternância de preferências: estando tudo em ordem, o que a criança quer é exercer os prazeres da sua individualidade em formação; ao menor desconforto, busca no aconchego materno (amor) o remédio para todas as dores.

Não há como não compararmos nossos comportamentos ditos adultos com o que acabei de descrever: queremos exercer nossa individualidade com a máxima liberdade, mas queremos voltar para casa e encontrar o parceiro à nossa espera. Ficamos bem longe da pessoa amada por algum tempo, mas depois o desejo maior é o de nos aconchegarmos; se isso não é possível, sentimos a dor forte correspondente à saudade (mistura de abandono com lembrança do calor que advém da companhia). Temos a nosso favor o benefício de um imaginário mais rico e a capacidade de nos comunicar à distância graças aos recursos tecnológicos: nos sentimos aconchegados, mesmo estando longe, graças às palavras e juras de amor.

No convívio íntimo, parece que queremos mesmo é encontrar uma fórmula capaz de conciliar amor e individualidade: quero, por exemplo, assistir ao programa de TV do meu interesse e quero que minha amada esteja ao meu lado, se possível bem agarradinha. Ela, também interessada no aconchego, poderá tentar achar graça, por exemplo, no jogo de futebol que tanto me encanta. Mas talvez não consiga e aí começam os problemas. Ela se afastará, indo em busca daqueles que são os seus reais interesses individuais. Eu me sentirei rejeitado, abandonado e mal amado; tentarei pressioná-la com o intuito de fazer com que volte. Ela, prejudicada em seus legítimos direitos, se revoltará e a briga (chamada de “briga normal dos casais”) será inevitável.

O homem é, ao mesmo tempo, a criança e a mãe. O mesmo vale para a mulher. Querem exercer sua individualidade, mas sem se afastar muito um do outro. Lutarão pelo poder, para definir quem irá impor o ritmo e a programação. Por maiores que sejam as afinidades, sempre irão existir atividades que são do interesse exclusivo de um dos membros do casal. A fórmula tradicional – homens mandam e mulheres obedecem – não funciona mais (felizmente).

O que fazer? Só há um jeito: o crescimento emocional de ambos para que a dependência típica do amor infantil se atenue. Que cada um consiga se sentir em condições de exercer suas atividades, de modo a liberar o parceiro para fazer o mesmo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget

Palavras mais buscadas...

aconchego (1) acreditar (3) adeus (1) Alexandre (3) alimentação viva (4) alimento (5) alma (7) alunos (2) amadurecer (3) amar (10) amazônia (12) amigo (14) amigos (8) amizade (7) amor (57) amoral (4) andar (2) ano (2) Apego (10) aprender (4) aproveite (1) Arapoty (1) aristóteles (4) as sete leis (2) ascendente (2) astrologia (25) atitude (6) auto-estima (3) ayurveda (5) ação (3) batalha (3) beijo (4) beleza (6) bem (6) boca (7) Brasil (17) brasileiros (14) brincar (5) buda (5) busca (2) calma (2) caminhada (2) caminho (6) camisola (1) cancer (5) capricórnio (5) característica (3) carentes (2) carinho (6) casa (5) casal (3) casamento (6) causo (5) certo (2) chakras (3) china (3) chorar (5) ciclo (2) cigarro (2) cinema (2) coisas impossíveis (2) comer (5) competição (4) conforto (2) confúcio (2) conhecimento (5) consciência (9) conto popular (6) controvérsia (3) cor (12) Cora Coralina (2) coragem (3) coração (12) corpo (18) crenças (5) culpa (6) cura (4) câncer (4) cérebro (9) Dalai Lama (2) decorar (12) depressão (8) desabafo (3) desamor (2) desapego (16) destino (12) Deus (15) dia (6) dicas (6) dificuldade (3) dignidade (3) dinheiro (9) ditado (9) ditados populares (5) dito (5) doação (3) doença (11) dor (7) dosha (4) ego (4) emocional (4) emoção (4) emoções (3) energia (10) equilíbrio (3) erro (4) esperança (2) espiritual (5) estilo (2) estória (10) evolução (7) falar (5) família (11) fazer (3) felicidade (27) feliz (17) festa (4) filho (3) filme (2) filosofia (6) filósofo (3) flor (12) floral (12) flores (14) fofoca (5) frase (30) frases (19) Gandhi (2) gay (3) harmonia (4) hatha yoga (2) heroína (2) história (11) homem (15) honestidade (2) humanidade (5) humano (19) humilde (2) humor (6) hábito (5) idade (6) ignorância (6) imagem (2) incapaz (2) inteligência (6) japão (2) jovem (4) Kaká Werá (3) laranja (3) legais (2) legumes (2) lenda (23) lendas (16) leão (6) liberdade (6) limites (2) livre (3) lorota (5) louco (7) loucura (8) luz (3) lábios (2) língua (3) Mahatma Gandhi (3) mal (5) mantra (2) matuto (2) medicina (5) meditar (4) Meditação (9) medo (11) mensagem (9) mente (5) mentira (33) mentiras (3) moksha (3) momentos (4) Monge (2) monja coen (2) moral (4) morrer (9) morte (9) motivação (3) mulher (14) mulheres (5) mundo (7) mágoa (4) mágoas (5) mãe (3) mãos (2) médico (3) música (6) namoro (3) natal (2) natural (2) natureza (15) nova (2) nutrientes (2) o bem amado (2) obsessiva (3) Odorico (4) orgulho (4) oriental (2) otimista (2) paciência (4) pais (4) paixão (5) palavra (14) palavras (8) Paraguaçu (4) Paris (2) paz (9) pecado (3) pecados capitais (2) peixes (6) pensamento (8) perdoar (3) pererê (2) pergunta (3) persistência (3) personalidade (6) Pessoa (4) piadas (2) pior (3) planeta (14) platão (4) poder (3) política (3) político (6) popular (10) populares (4) português (3) positivo (4) prazer (5) prem (2) prem baba (3) preocupação (3) presente (4) problemas (4) professor (5) profissional (3) promessa (2) prosperidade (2) provérbio (23) psicólogo (3) pés (2) qualidade (2) raiva (3) realidade (22) refletir (2) refrigerante (3) regente (12) rei (2) relacionamento (6) relacionamentos (5) relação (4) religião (4) respeito (4) responsabilidade (7) resposta (5) rico (3) rir (7) riso (5) rosto (2) sabedoria (14) saber (5) saci (3) sagrado (2) sangue (2) Santidade (2) saudade (3) saudável (3) saúde (15) segredo (3) sensatez (2) sensível (2) sentimento (14) sexo (18) sexual (3) Sigmund Freud (2) significados (2) signo (26) signos (26) silêncio (4) sinceridade (3) sincero (2) sindrôme (2) social (3) sociedade (5) sofrer (3) sofrimento (3) solidariedade (3) solidão (5) sonhar (4) sorrir (4) sorriso (4) sorvete (2) stress (4) sucesso (4) Sucupira (4) suicídio (3) síndrome (2) sócrates (3) tempo (12) terapia (3) terra (2) Tibete (2) TPM (4) trabalho (8) transformação (3) travesso (2) triste (3) tristeza (11) tumores (2) universo (3) velho (4) velhos (3) veneno (2) verdade (43) vida (42) vinyasa yoga (2) virgem (5) virtude (3) vitamina (2) vitória (3) viver (17) vivência (2) voluntário (2) vício (2) vícios (3) Zen (4) água (8) ética (3) ético (4) útil (2)
Ocorreu um erro neste gadget